Entulho de pedras, tijolos e areia
Sustentabilidade

Resíduos da construção civil: como reduzir?

A geração de resíduos sólidos está crescendo rapidamente, segundo o Banco Mundial, e a previsão é passar dos atuais 3,5 milhões para 11 milhões de toneladas por dia, no ano de 2100. No Brasil, a Resolução 307/2003 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), estabelece diretrizes para a gestão dos resíduos da construção civil, com o objetivo de disciplinar as ações necessárias de forma a minimizar os impactos ambientais.

Adicionalmente, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS, Lei 12.305/2010), trouxe regulamentação para o manejo ambientalmente correto de todos os tipos de resíduos. Foram implementadas metas de redução, reutilização e reciclagem no intuito de reduzir a quantidade de resíduos e rejeitos enviados para destinação final, dentre estes os Resíduos da Construção Civil.

Os impactos da produção excessiva de resíduos da construção civil

Mas, o que exatamente são resíduos da construção civil? De acordo com a resolução legal são resíduos os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais e outros comumente chamados de entulhos de obras.

Entretanto, apesar de não nos atentarmos para estes resíduos, não podemos desconsiderar seu impacto econômico-ambiental. De acordo com a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos de Construção Civil e Demolição (Abrecon), o Brasil produz cerca de 84 milhões de metros cúbicos de resquícios de construção civil e demolição por ano, e cada brasileiro produz, em média, meia tonelada de resíduo na construção civil por ano.

Estudos da Associação das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) demonstram que 60% do lixo das cidades (Resíduo Sólido Urbano) vêm da construção civil, e que70% desse total poderia ser reutilizado.

Isso significa que o Brasil joga fora bilhões de reais ao ano por não utilizar corretamente seus resíduos da construção civil.

Como reduzir esses impactos?

Dentro da hierarquia prevista na PNRS, a prioridade é a redução, e isto é possível através do melhor planejamento das obras para a diminuição da geração e desperdícios, reduzindo-se também desta forma os custos finais dos empreendimentos e os custos ao consumidor.

Trator jogando entulhos em uma usina de reciclagem

Usina de Reciclagem de Resíduos da Construção Civil de Guarulhos. Imagem: Maurício Burim

Ainda, de acordo com a PNRS, a segunda prioridade é a reutilização e reciclagem destes resíduos e a sua transformação em novas matérias-primas, para uso nas próprias construções ou na base de pavimentação de espaços específicos como estradas e ruas.

Novas tecnologias, como trituradores, permitem a reciclagem imediata destes resíduos, ou ainda, a instalação de usinas de reciclagem e que possibilitam a reintrodução destes materiais nas cadeias produtivas da construção civil já estão bastante disseminadas e são de fácil aquisição no mercado, seja através de locação ou mesmo compra.

Um exemplo destas boas práticas vem da Precon Engenharia que, através da Solução Habitacional Precon (SHP), reduziu em 85% os rejeitos de suas construções.

Há também, o método de construção de prédios inspirado na indústria automobilística que permite a produção de prédios dentro de uma fábrica, que é transportada e montada in-loco, sendo o canteiro de obras uma montagem, e não uma ocupação.

Outro exemplo vem da Habitar Construções Inteligentes, que conseguiu a redução de 93% na geração de seus resíduos da construção civil, através do seu novo formato construtivo para casas e pequenas edificações pré-fabricadas com foco no entulho zero.

Confira algumas vantagens de melhor gerir esses resíduos:

  • Redução dos custos da obra e aumento de lucratividade;
  • A separação na fonte garante a qualidade dos resíduos e reduz os custos de beneficiamento e destinação;
  • Permite a diminuição dos custos de remoção dos resíduos;
  • Possibilita a reciclagem de alguns materiais na própria obra, outros separados para a coleta municipal e para a informal (coletores de material reciclável);
  • Facilita a identificação dos pontos de perdas e desperdício;
  • Melhora a organização no canteiro de obras.

Iniciativas simples e inovadoras demonstram que é sim possível construir de forma sustentável e com melhores resultados financeiros. Agora que você já viu como é possível destinar os resíduos da construção civil adequadamente, leia também nosso artigo sobre os consumidores que estão dispostos a pagar mais por produtos sustentáveis.

Benyamin Fard Benyamin Fard
CEO da Biovita.
Iraniano radicado no Brasil, é empreendedor serial e representante do Stanford Research Institute no Brasil. Graduado em Engenharia Elétrica, com MBA Internacional em Gestão Ambiental (UFPR) e Mestrando em Engenharia e Gestão do Conhecimento (UFSC).

Acredita que a resiliência organizacional é resultado da inovação sustentável, razão que o faz entusiasta por estes temas em todas as suas formas, e em especial quando lideradas por empreendedores através de suas startups.

É músico autodidata apaixonado por rock progressivo, ávido pesquisador de temas ligados à filosofia, história e quântica. É também esposo e pai de dois filhos.